O FUNDAMENTO DA EXISTÊNCIA É A HARMONIA

Numa longa entrevista que sairá em breve, Masamichi Noro, antigo aluno de Morihei Ueshiba e fundador do Kinomichi, nos deu a sua visão da vida. Estamos publicando aqui um trecho que trata da relação com o outro e do contato. (assunto recolhido pela redação).

Numa prática como o Kinomichi. como o senhor concebe a relação como outro: parceiro ou adversário, troca ou desafio?

(risos) Foi por causa disso tudo que eu abandonei o Aikido! “Meu shiho nague (1) é mais forte do que o seu”, e eis o espirito do dualismo, cada vez mais sem consciência. Se nós inculcamos esses esquemas a uma criancinha, o que acontecerá depois ao adulto? O que iá acontecer/ E no cinema, quando um bate o outro, é um herói. Não é herói! Não é possível! Não se deve pensar nesse sentido. O dualismo tem que desaparecer. Então, no Kinomichi, a primeira coisa que eu fiz foi mudar as palavras, que são muito importantes e influenciam muito. Eu dei o nome de “técnicas do céu” a todos os nage waza (2). E aos katame waza (3) dei o nome de “técnicas da terra”. Pois o homem precisa se harmonizar com o espaço e a terra. Para as formas de ataque eu dei o nome de “formas de contato”. Todas as noções de ataque e defesa foram eliminadas! Foi difícil. E ao mesmo tempo foi pedagógico. A criança ainda é selvagem, primitiva, os instintos animais estão em seu corpo e se desenvolvermos esse instinto, chegamos a quê? Animais!! Isso não é possível. Eu não concordo! É uma catástrofe! Você bate em alguém e as pessoas exclamam: “Puxa, seu ki é poderoso!”. Mas o ki é a energia da vida. O mestre Ueshiba me disse: “Noro, meu Aikido é a realização do amor; a técnica, é o instrumento para essa realização”.

Como passamos da briga à harmonia? E qual é o papel da energia?

Desde o inicio é preciso mudar a energia no contato. Se você se casa e briga manhã, tarde e noite, o que significa? Catástrofe, sofrimento! Mas se ama. é magnífico. A violência e a sua briga são o seu desejo. O mundo não é isso. Algumas pessoas me dizem: “Você e sua maneira de ver as coisas! A vida é uma selva, o mundo é duro, é preciso lutar antes de ser esmagado”. É um beco sem saída. É preciso mudar! A energia envolve…

(Sr. Noro se abraça com seus braços)…hum, é bom! Esta é a relação. Um dia o mestre Ueshiba fez uma das primeiras grandes demonstrações , voltei rápido, mas ele já havia escolhido outro parceiro. Foi num grande teatro de Tóquio, diante de 4000 pessoas. Eu estava no fundo da sala, e no público havia muitas crianças e barulhos, Eu gritei: “Façam silêncio!” Impossível. O mestre Ueshiba entrou no palco…1m53 , um homem pequeno! Seu parceiro era Tada, com uma diferença de tamanho incrível. Mestre Ueshiba fez um mo0vimento com Tada e, de repente, silêncio completo! Ele continuou, eu estava olhando, e o tempo passou. Num certo momento, eu e ele nos conectamos. Ele fez um movimento, ainda vejo os dedos dele, e eu fiz um movimento, eu reagi… 4000 pessoas entre nós dois; eu estava longe dele, ele é pequeno, mas nós estávamos em contato. Eu pensei: “mas que força é essa?”. E todas as pessoas na sala sentiram aquela força.

O que era essa força?

Era a vontade de entrar em contato.

Por que a prática sempre se faz a dois no Kinomichi?

O que você acha sobre a palavra “parceiro”?

É a relação com o outro…

Isso, é o principio do homem. Um dia, Tchouand Tseu, discipulo de Lao Tseu, vai para a sua montanha. O outono chega, as folhas caem. Tchouang Tseu, sozinho há meses em sua casa, ouve o barulho das folhas caindo. Ele corre para abrir a porta e grita; “Quem está vindo?” Ele estava decidido, totalmente no caminho do desenvolvimento interior, mas gritou: “Quem está ai?” E ele diz muitas vezes: ” O homem precisa do outro, ele não pode viver sozinho.” Então, sem parceiro, podemos conseguir unir o céu diretamente à terra, mas veja esse jovem rapaz na montanha, que, apesar de todos os seus exercícios, se precipita: “Quem está aí?” Depois disso ele voltou para a cidade . Ele entendeu que o homem não pode viver sozinho.

E o contato?

Por que há tantas doenças hoje em dia? Há algo errado no contato entre os homens. O ki e a energia, é a nossa vida, é preciso dar conta disso no encontro homem/homem, e em nenhum momento falar de dualismo. É preciso desenvolver esse sentido. (veja ideograma).

No Aikido, há uke e tori (3). Também há noções no Kinomichi?

Tori é “pegue”. Uke é “aceite”. Agarrar também já ee um ataque. Não é bom. É preciso introduzir a noção de contato desde o início. Está tudo aí. Hoje em dia, tudo é distância, nas guerras econômicas, nas guerras disso, nas guerras daquilo. Não! É preciso pensar no homem. Nós somos homo sapiens, não somos animais. É preciso ir nessa direção.

Uma vez que o contato é estabelecido, como o senhor usa a sua pedagogia? Quem guia? Quem é guiado?

A noção de guia já é uma agressão. O fundamento da existência é a harmonia. Nós seguimos juntos. Vamos passear juntos. É por isso que uke, tori, ataque, defesa- não! Nós não somos criminosos. Não devemos alimentar esses sentidos.

É o contato para o caminho…

É isso. É michi, em japonês. Veja o ideograma ki. É arroz cozinhando, mas para fazer arroz, é preciso água e fogo. A força da água e do fogo juntos, é a origem de tudo. Ka (fogo) e mi (água). é Deus. Ka vai para o céu, mi desce para a terra. A água é o plano horizontal, o fogo é o plano vertical. O arroz, a água, o fogo lutam. Mas no centro das nossas células da vida, a água e o fogo dão origem à vida. Se a água e o fogo são concebidos com o sentido do combate, é uma catástrofe. Eis por que o homem procura a harmonia do fogo e da água o tempo todo, quando entra nas igrejas ou quando venera Buda.

E devemos buscar essa harmonia o tempo todo, não somente quando entramos no dojo?

É, antes e depois, é ainda melhor! (risos)

Em uma palavra: o contato?

O amor.

A relação?

O amor.

O que caracteriza a harmonia?

O amor.

Em que momento podemos sentir que duas pessoas entram em relação?

No momento em que inspiração começa no movimento de cada um. Normalmente, você está aí, eu estou aqui, mas eu estou aqui isoladamente, sempre ha esse ego, como um muro que nos separa e separa a nossa energia. Com o exercício, esse muro desaparece. De repente vem essa energia… hum!… e começa a criar o espaço. Esse é momento do contato. A pessoa pratica durante longos anos e de repente, um dia, acontece.

Dá para ver?

Dá. É muito claro.

É difícil descrever “o que” muda?

É um estado de inspiração e.. . (expiração), É isso. Aqui (no ocidente) o ensino é muito diferente, o movimento começa com o ego, é mecânico o tempo todo. Para muita gente é preciso saber onde os pés se posicionam, quantos centímetros, quantos graus e tudo o mais. É a forma. Vemos muito isso na dança, e é uma pena. Pois a dança deveria ser a realização do ensino da energia da terra, do céu, e a criação do espaço pelo movimento. O movimento é apenas um simples instrumento. O que é importante para a nossa existência? É a vida! A alegria de viver. Infelizmente “eu penso, então eu sou” leva o homem pela cabeça, em desequilíbrio total. Ele acha que fazendo o movimento de um jeito ou de outro, ele estará na alegria. Mas não! Viver é a alegria, é o amor! Então, de repente, um dia, eu observo esse aluno e digo… pronto! Foi o primeiro passo!

Pois pode desaparecer e depois voltar?

Os satori, essas experiências podem desaparecer e voltar. Mas assim que essa alegria irrompe é muito difícil desaparecer. Ela se instala. A energia da inspiração é criativa. Atualmente o cosmos cresce, ele está numa fase criativa. Um dia, toda a energia e a matéria irão se concentrar na inspiração. E quando isso estiver concentrado ao extremo, irá explodir. Talvez… Então, o homem, como está vivo, não deve se fechar em si mesmo. Enquanto viver, eu falarei da inspiração e a mostrarei. Não é possível que eu pare. (risos) E atualmente, essas energia está desviada pela força o tempo todo. Eu digo: não, a força deve existir para harmonizar com o outro. É tão simples e evidente! E por que o homem luta com o outro? É a nossa animalidade e o nosso ego. É o “Eu”.

Nós não podemos estar sempre em expansão: vivemos momentos passageiros de tristeza, de intimidade, antes de ficarmos alegres. É normal, não é?

É a simples matéria. Nosso universo é harmonioso, cheio de alegria e de amor. O tempo todo.